Terça-feira, Junho 25Portal Comunica News

Risco de Distúrbios Psiquiátricos Induzidos pela Cannabis Acentuado pela Maconha de Alta Potência

Com a crescente legalização dos produtos recreativos de cannabis em diversos estados dos EUA, observa-se um aumento na demanda dos consumidores por variedades mais potentes da planta, o que pode ampliar o potencial risco de distúrbios psiquiátricos.

Anders Gilliand tinha apenas 17 anos quando começou a se desconectar da realidade.

“Sua percepção era de que seres superiores estavam se comunicando com ele, orientando suas ações e definindo sua identidade”, relatou sua mãe, Kristin Gilliand, residente em Nashville.

Desde os 14 anos, Anders usava maconha. Entretanto, aos 22 anos, foi diagnosticado com esquizofrenia, uma condição psiquiátrica crônica caracterizada por delírios, alucinações e discurso desorganizado.

Inicialmente, ele seguiu um tratamento com antipsicóticos, mas os efeitos colaterais o levaram a abandonar o medicamento. Em busca de alívio das vozes que ouvia em sua mente, recorreu à heroína, vindo a falecer por overdose acidental de drogas em 2019.

“Se ele nunca tivesse começado a usar cannabis, talvez estivesse conosco até hoje”, pondera Gilliand, neurocientista da Universidade Vanderbilt. Embora haja um histórico familiar de esquizofrenia, ela acredita que o uso de maconha tenha desencadeado episódios psicóticos em seu filho e exacerbado a condição.

Anders fazia parte de um crescente contingente de jovens adultos, especialmente homens, com maior probabilidade de desenvolver psicose devido ao uso de maconha. Estudos dinamarqueses e britânicos, entre outros, sugerem uma correlação entre o consumo intenso de maconha e distúrbios psiquiátricos, como depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. Acredita-se que altos níveis de THC – o componente psicoativo da cannabis que provoca a sensação de euforia – possam desencadear essas condições em indivíduos com predisposição genética. A concentração de THC na maconha tem aumentado ao longo das décadas.

“Observamos claramente um aumento nos casos de psicose induzida pela cannabis entre adolescentes”, afirma o psiquiatra infantil Dr. Christian Thurstone, especialista em dependência na Escola de Medicina da Universidade do Colorado, em Denver.

A relação entre a potência da maconha e seus efeitos adversos é uma preocupação. Nora Volkow, diretora do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas, salienta que quanto mais potente a cannabis, maior o risco de efeitos psicóticos, especialmente para aqueles que consomem doses elevadas.

Apesar da escassez de pesquisas sobre os efeitos adversos de altos níveis de THC, um estudo europeu de 2020 revelou que a cannabis de alta potência apresentava maior risco de alucinações e delírios em comparação com variedades menos potentes.

Aproximadamente metade das pessoas com psicose induzida pela cannabis pode desenvolver esquizofrenia ou transtorno bipolar, conforme indicam estudos.

Jovens adultos e adolescentes são particularmente vulneráveis, adverte Thurstone. “As evidências atuais sugerem que o risco de psicose está associado à dose; em outras palavras, quanto maior a exposição à maconha, especialmente na adolescência, maior o risco de desenvolver psicose, esquizofrenia e outros distúrbios mentais graves”, explica.

Além disso, os produtos de maior potência apresentam um risco acrescido de transtorno de uso de cannabis ou dependência. Thurstone destaca que a maconha pode ser tanto psicológica quanto fisicamente viciante, gerando tolerância e levando à necessidade de doses cada vez maiores para produzir os mesmos efeitos.

Em termos de potência, a maconha atual é substancialmente mais forte do que décadas atrás, com produtos rotineiramente contendo mais de 20% de THC, em comparação com os 2% a 3% típicos nas décadas passadas.

Patrick Johnson, gerente assistente de uma loja de dispensário no Colorado, relata um aumento notável na potência da maconha desde a legalização para uso recreativo em 2014. Atualmente, a maioria dos clientes prefere produtos mais fortes, com cepas variando entre 14% e 30% de THC.

Os produtos de cannabis têm aumentado em potência ao longo dos anos devido à tolerância desenvolvida pelos consumidores, conforme observado por Mahmoud ElSohly, pesquisador da Universidade do Mississippi. Ele destaca um aumento significativo na potência média da maconha, de 3% para 15% entre 1995 e 2021.

Apesar das inovações na indústria da cannabis, ainda não existe uma dosagem padrão estabelecida, dificultando a previsão dos efeitos individuais. Além disso, a falta de padronização torna desafiador o desenvolvimento de uma dose unitária para produtos inalados queimados, como o baseado.

Em última análise, a crescente potência da maconha e sua relação com distúrbios psiquiátricos destacam a necessidade de uma abordagem cautelosa e informada ao seu uso, especialmente entre os jovens adultos e adolescentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *