Terça-feira, Junho 25Portal Comunica News

Descoberta no Deserto: Baleia Gigante que Vivia há 40 Milhões de Anos é o Animal mais Pesado de Todos?

Especialistas afirmam que o colosso Perucetus poderia alcançar um impressionante peso de até 375 toneladas.

Cientistas revelam: Baleia gigante de 40 milhões de anos é o animal mais pesado já conhecido

Uma descoberta fascinante foi divulgada por cientistas na quarta-feira, revelando que uma baleia gigante que viveu há quase 40 milhões de anos é agora considerada o animal mais pesado que já existiu, superando até mesmo a atual campeã dos pesos pesados, a baleia azul.

Chamada de “Perucetus”, que significa “a colossal baleia do Peru”, essa magnífica criatura foi ainda maior que as baleias azuis, conforme relatado em um artigo publicado na revista “Nature”. Os especialistas chegaram a essa conclusão após estudarem fósseis encontrados no deserto peruano há mais de uma década, que só recentemente foram identificados como pertencentes a uma espécie desconhecida.

O paleontólogo Mario Urbina posa para uma foto ao lado das vértebras da espécie recém-descoberta durante uma apresentação em Lima, Peru, na quarta-feira.

Com seus impressionantes 20 metros de comprimento, o Perucetus não é a criatura marinha mais longa já conhecida, uma vez que as baleias azuis podem alcançar até 30 metros de comprimento. No entanto, a densidade óssea e o tamanho do mamífero marinho recém-descoberto o tornam provavelmente o mais pesado de todos, com um peso estimado entre 94 e 375 toneladas métricas. Em comparação, as maiores baleias azuis observadas pesam cerca de 200 toneladas métricas.

“O P. colossus tem uma massa esquelética estimada maior do que qualquer mamífero ou vertebrado aquático conhecido”, afirmou o artigo da revista, destacando sua provável posição como “o animal mais pesado já registrado”.

Giovanni Bianucci, principal autor do estudo e pesquisador da Universidade de Pisa, na Itália, explicou que a massa corporal desse antigo cetáceo pode ter sido quase o dobro da maior baleia azul e mais de três vezes a estimada para o argentinossauro, um dos maiores dinossauros já encontrados.

Uma única vértebra de Perucetus colossus é transportada do local de origem no deserto de Ica, na província de Ica, sul do Peru em 2017.

A descoberta foi possível graças a uma equipe internacional de cientistas que passou anos explorando o deserto de Ica, na costa sul do Peru, conhecido por suas ricas descobertas paleontológicas. Eles encontraram e recuperaram 13 vértebras, quatro costelas e um osso do quadril, o que representou um desafio considerável, tanto para levantar os fósseis ósseos quanto para analisá-los completamente com os métodos tradicionais.

No entanto, através de uma exploração inovadora de luz estruturada, eles conseguiram criar um modelo tridimensional dos fósseis e obter estimativas do tamanho e peso da baleia, mesmo com um esqueleto incompleto.

A datação de cinzas vulcânicas no local permitiu aos pesquisadores datar a espécie entre 39,8 e 37,84 milhões de anos atrás, durante o período do Eoceno. Nessa época, outros membros da família dos cetáceos, incluindo golfinhos e baleias, estavam gradualmente abandonando a vida terrestre em favor de um estilo de vida marinho.

Acredita-se que o Perucetus tenha utilizado seu esqueleto pesado como lastro para se mover pelo fundo do oceano, alimentando-se ao longo do leito marinho, similar ao comportamento das modernas vacas marinhas e alguns tubarões.

A descoberta desperta grande entusiasmo entre os paleontólogos e a comunidade científica em geral. Hans Thewissen, paleontólogo da Northeast Ohio Medical University, comentou sobre a revelação: “É emocionante ver um animal tão gigante e tão diferente de tudo o que conhecemos”.

O deserto de Ica, conhecido por suas ricas descobertas paleontológicas, continua a revelar os segredos do passado, sendo o local onde os cientistas encontraram o cetáceo de quatro patas mais antigo conhecido a chegar ao Oceano Pacífico, bem como o ancestral mais antigo das baleias de barbatanas modernas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *